quarta-feira, 30 de abril de 2008

ESCOLA DE VIDRO
Naquele tempo eu até que achava natural que as coisas fossem daquele jeito. Eu nem desconfiava que existissem lugares muito diferentes...
Eu ia pra escola todos os dias de manhã e quando chegava, logo, logo, eu tinha que me meter no vidro. É no vidro! Cada menino ou menina tinha um vidro e o vidro não dependia do tamanho de cada um, não! O vidro dependia da classe em que a gente estudava. Se você estava no primeiro ano ganhava um vidro de um tamanho. Se você fosse do segundo ano seu vidro era um pouquinho maior.
E assim, os vidros iam crescendo à medida em que você ia passando de ano. Se não passasse de ano era um horror. Você tinha que usar o mesmo vidro do ano passado. Coubesse ou não coubesse. Aliás, nunca ninguém se preocupou em saber se a gente cabia nos vidros. E pra falar a verdade, ninguém cabia direito. Uns eram muito gordos, outros eram muito grandes, uns eram pequenos e ficavam afundados nos vidros, nem assim era confortável.
Os muito altos, de repente se esticavam e as tampas dos vidros saltavam longe, às vezes até batiam no professor. Ele ficava louco da vida e atarraxava a tampa com força, que era pra não sair mais. A gente não escutava direito o que os professores diziam, professores não entendiam o que a gente falava...
As meninas ganhavam uns vidros menores que os dos meninos. Ninguém queria saber se elas estavam crescendo depressa, se não cabiam nos vidros, se respirava direito. A gente podia respirar direito na hora do recreio ou na aula de educação física.
Mas aí a gente já estava desesperado de tanto ficar preso e começava a correr, a gritar, a bater uns nos outros. As meninas coitadas, nem tiravam os vidros no recreio. E na aula de educação física elas ficavam atrapalhadas, não estavam acostumadas a ficarem livres, não tinham jeito nenhum para a educação física. Dizem, nem sei se é verdade, que muitas meninas usavam vidros até em casa. E alguns meninos também. Estes eram os mais tristes de todos. Nunca sabiam inventar brincadeiras, não davam risada à toa, uma tristeza!
Se a gente reclamava? Alguns reclamavam. E então os grandes diziam que sempre tinha sido assim; ias ser assim o resto da vida. Uma professora, que eu tinha dizia que ela sempre tinha usado vidro, até para dormir, por isso é que ela tinha boa postura. Uma vez um colega meu disse pra professora que existe lugares onde as escolas não usam vidro nenhum, e as crianças crescem à vontade. Então a professora respondeu que era mentira, que isso era conversa de comunistas. Ou até coisa pior..
Tinha um menino que tinha que sair da escola porque não havia jeito de se acomodar nos vidros. E tinha uns que mesmo quando saiam dos vidros, ficavam do mesmo jeitinho, meio encolhidos, como se estivessem tão acostumados que até estranhavam sair dos vidros.
Mas uma vez, veio para a minha escola um menino que parece que era favelado, carente, essas coisas que as pessoas dizem pra não dizer que é pobre. Aí não tinha vidro pra botar esse menino. Então os professores acharam que não fazia mal, não, já que ele não pagava a escola mesmo...
Então o Firuli, ele se chamava Firuli, começou a assistir as aulas sem estar dentro do vidro. O engraçado é que Firuli desenhava melhor que qualquer um, o Firuli respondia as perguntas mais depressa que os outros, o Firuli era muito mais engraçado... e os professores não gostavam nada disso... afinal, o Firuli podia ser um mal exemplo para nós...
E nós morríamos de inveja dele que ficava no bem-bom, de perna esticada, quando queria ele se espreguiçava e até meio que gozava da cara da gente que vivia preso. Então um dia um menino da minha classe falou que também não ia entrar no vidro. Dona Demência ficou furiosa, deu um coque nele e ele acabou tendo que se meter no vidro como qualquer um.
Mas no dia seguinte duas meninas resolveram que não iam entrar no vidro também: - Se o Firuli pode porque é que nós não podemos: Mas dona Demência não era sopa. Deu um coque em cada uma delas e lá se foram elas, cada uma pro seu vidro...
Já no outro dia a coisa tinha engrossado. Já tinha oito meninos que não queriam saber de entrar nos vidros. Dona Demência perdeu a paciência e mandou chamar seu Hermenegildo que era o diretor lá da escola. Seu Hermenegildo chegou muito desconfiado: - Aposto que essa rebelião foi fomentada pelo Firuli. É um perigo esse tipo de gente aqui na escola. Um perigo! A gente não sabia o que queria dizer fomentada, mas entendeu muito bem que lê estava falando mal do Firuli. E seu Hermenegildo não conversou mais. Começou a pegar os meninos um por um e enfiar dentro do vidro.
Mas nós estávamos loucos pra sair também e pra cada um que ele conseguia enfiar no vidro já tinha dois fora. E todo mudo começou a correr do seu Hermenegildo, que era pra ele não pegar a gente e na correria começamos a derrubar os vidros. E quebramos um vidro, depois quebramos outro e outro mais e Dona Demência já estava na janela gritando: SOCORRO! VÂNDALOS! BÁRBAROS! Pra ela bárbaro era xingação. Chamem os Bombeiros, o Exército de Salvação, a Polícia Feminina...
Os professores das outras classes mandaram, cada um, um aluno para ver o que estava acontecendo. E quando os alunos voltaram e contaram a farra que estava na 6ª série todo mundo ficou assanhado e começou a sair do vidro. Na pressa de sair começara a esbarrar uns nos outros e os vidros começaram a cair e quebrar.
Foi um custo botar ordem na escola e o diretor achou melhor mandar todo mundo pra casa, que era pra pensar num castigo bem grande, pro dia seguinte. Então eles descobriram que a maior parte dos vidros estava quebrada e que ia ficar muito caro comprar aquela vidraria toda de novo.
Então diante disso seu Hermenegildo pensou um bocadinho e começou a contar pra todo mundo que em outros lugares tinha umas escolas que não usavam vidro nem nada. E que dava bem certo, as crianças gostavam bem mais.
E que de agora em diante ia ser assim: nada de vidro, cada um podia se esticar um bocadinho, não precisava ficar duro nem nada, e que a escola agora ia se chamar Escola Experimental.
Dona Demência que apesar do nome não era louca nem nada, ainda disse timidamente: - Mas seu Hermenegildo, Escola Experimental não é bem isso... seu Hermenegildo não se perturbou: - Não tem importância, A gente começa experimentando isso, depois a gente experimenta outras coisas...
Foi assim que na minha terra começaram muitas coisas que um dia ainda vou contar.

(Ruth Rocha, 1986)

segunda-feira, 28 de abril de 2008


glitter graphics



glitter graphics


Recados para Orkut e Glitter Graphics
AS CORES DOS AMIGOS

Amigos são "cores", cada qual com seu matiz,
e um jeitão sempre muito marcante.

Há o Amigo "cor verde":
É aquele que em tudo ressalta a beleza
da Vida e põe esperança nela. Ergue-nos!

Há o Amigo "cor azul":
Ele sempre traz palavras de paz e de serenidade,
dando-nos a impressão, ao ouvi-lo,
que estamos em contato direto com o céu
ou com o profundo azul do mar.
Ele nos eleva!

Há o Amigo "cor amarela":
Ele nos aquece, assim como o sol;
faz-nos rir, sorrir e enxergar o amarelo brilho
das estrelas bem ao alcance das nossas mãos.

Há o Amigo "cor laranja":
Ele nos traz a sensação de vigor, saúde, enriquece nosso
espírito com energias que são verdadeiras vitaminas
para o nosso crescimento.

Há o Amigo "cor vermelha":
É aquele que domina as regras de viver, é como nosso sangue.
Ele acusa perigos, mas nunca nos abala a coragem.
É pródigo em palavras apaixonadas
e repletas de caloroso amor.

Há o Amigo "cor roxa":
Ele traz à tona nossa essência majestosa,
como a dos reis e dos magos.
Suas palavras têm nobreza, autoridade e sabedoria.

Há o Amigo "cor cinza":
Ele nos ensina o silêncio, a interiorização
e o auto-conhecimento.
É um indutor a pensamentos e reflexões.
Ajuda a nos aprofundar em nós mesmos.

Há o Amigo "cor preta":
Ele é mestre em mostrar nosso lado mais obscuro,
com palavras geralmente duras,
atinge-nos sem 'anestesia' e, com boas intenções,
leva-nos a melhor considerar nossas atitudes perante a vida.

... E há o Amigo "cor branca":
Esse é uma mistura de todos.
é aquele que 'saca' um pouco de cada um e nos revela verdades
nascidas da vivência e da incorporação de conhecimentos.
Ele nos prova que, não só ele, mas também todos os outros,
têm verdades aprendidas para partilhar conosco.

Se reunirmos a todos num Grande Encontro,
veremos um arco-íris de Amor e de Amizade.


Fonte: Autor desconhecido

domingo, 27 de abril de 2008



Só para Amigas muito Especiais





Sabe aquela amiga que não importa a distância, não importa o parentesco, não importa se vivem grudadas ou são meio distantes, mas que você simplesmente adora!?

Com carinho para ela.....




O ATO DE EDUCAR – PATY FONTE

O ato de educar não é mecanicamente profissional

O ato de educar é de mais árdua paixão, de amor incondicional

O ato de educar exige engajamento, comprometimento, abnegação

É uma luta física e mental diária onde buscamos muito mais do que um simples salário no fim do mês...

Buscamos atingir todos os objetivos...

Desenvolver todas as habilidades...

Orientar todos os conhecimentos...

Facilitar todas as aprendizagens...

O prêmio? É a realização pessoal vinda através de um sorriso de criança frente a uma nova descoberta. Somos, sim! Sonhadoras de um mundo justo repleto de cidadãos críticos, questionadores, participantes, ativos numa Sociedade igualitária, digna, honesta...

Acreditamos no ato de educar em busca do nosso sonho.

Ousamos no desafio de inovar dentro da sala de aula.

Somos partículas de Deus enviadas especialmente para essa sublime missão: Educar!


JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO/Esc.Ione Campos dos Santos

Final de Ano/2006


Dica para o DIA da Mães

Flores para a mamãe!

Usando as mãozinhas dos nossos alunos,podemos fazer estas lindas flores.

Usando o EVA branco ou até mesmo a cartolina,faça o contorno da mão 1vez e 1 vez no EVA verde.

Pegue palito de churrasco e enrole-o com crepom verde.

Una as mãozinhas fazendo as flores e cole-as no palito.Pode se fazer como no modelo acima,um bouquet.

As mamães irão adorar esta lembrancinha feita pelos filhos!

Decore com um laço de fita bem bonito!!!

Site: http://blog.orolix.com.br/blog/brincandoeducando/

sexta-feira, 25 de abril de 2008

glitters
glitters
glitters

Tirado do BLOG: http://modeloseducacionais.blogspot.com

Brincadeiras para Crianças

Brincadeiras.

Retirado do Site: www.qdivertido.com.br/

JOGUINHO DE FRUTAS


Material

· 1 folha de EVA 45x60 na cor verde
· 1 folha de EVA 45x60 na cor marrom
· 1 folha de EVA 45x60 na cor preta
· 1 Kit 10x10
· 1 pacote de aplicações de cada modelo de frutas
· velcro
· Lápis de cor aquarelável
· Caneta de tinta permanente cor preta ponta fina
· Cola instantânea
· Algodão para umedecer o lápis de cor
· Tesoura
· Verniz em spray
· Lápis comum

Passo a passo

1. Transfira o molde da árvore com lápis comum para o EVA .
2. Utilize a caneta preta de tinta permanente para fazer o contorno de todas as peças.
3. Fazer a pintura com o lápis de cor aquarelável, umedecendo a ponta do lápis no algodão ( o algodão deve ser umedecido com água) .
4. Depois de pronta a pintura, passar o verniz em spray para fixar a pintura.
5. Recortar com a tesoura todas as peças.
6. Fazer a montagem de acordo com o modelo.
7. Colar aleatoriamente pedaços de velcro na árvore.
8. Pegue as frutas e cole-as no EVA preto.
9. Recorte, deixando um acabamento , faça o contorno e a pintura.
10. Cole a outra parte do velcro nas frutas.
11. Faça as fichas com as perguntas com o kit 10x10.

OBS: Retirado do site: www.kreateva.com.br

SOU DO SIGNO
VICKYS.com.br


VICKYS.com.br
VICKYS.com.br

quarta-feira, 23 de abril de 2008

terça-feira, 22 de abril de 2008

JOGOS E ATIVIDADES PARA ALFABETIZAÇÃO

1- Jogo dos 7 erros : a profª elabora uma lista de palavras e, em 7 delas, substitui uma letra por outra que não faça parte da palavra. A criança deve localizar essas 7 substituição.

2- Jogo dos 7 erros : a profª elabora uma lista de palavras e, em 7 delas, inverte a ordem de 2 letras (ex: cachorro – cachroro). A criança deve achar esses 7 erros.

3- Jogo dos 7 erros : a profª elabora uma lista de palavras e, em 7 delas, omite uma letra. O aluno deve localizar os 7 erros.

4- Jogo dos 7 erros : a profª elabora uma lista de palavras e, em 7 delas, acrescenta 1 letra que não existe. A criança deve localizar quais são elas.

5- Jogo dos 7 erros : a profª escreve um texto conhecido (musica, parlenda, etc.) e substitui 7 palavras por outras, que não façam parte do texto. O aluno deve achar quais são elas.

6- Jogo dos 7 erros : a profª escreve um texto conhecido (musica, parlenda, etc.) e omite 7 palavras. O aluno deve descobrir quais são elas.

7- Jogo dos 7 erros : a profª escreve um texto conhecido (musica, parlenda, etc.) e inverte a ordem de 7 palavras. O aluno deve localizar essas inversões.

8- Jogo dos 7 erros: a profª escreve um texto conhecido (musica, parlenda, etc.) e acrescenta 7 palavras que não façam parte dele. A criança deve localizar quais são elas.

9- Caça palavras: a profª monta o quadro e dá só uma pista: "Ache 5 nomes de animais" por exemplo.

10- Caça palavras : a profª monta o quadro e escreve, ao lado, as palavras que o aluno deve achar.

11- Caça palavras no texto: a profª dá um texto ao aluno e destaca palavras a serem encontradas por ele, dentro do texto.

12- Jogo da memória : o par deve ser composto pela escrita da mesma palavra nas duas peças, sendo uma em letra bastão, e a outra, cursiva.

13- Jogo da memória: o par deve ser idêntico e, em ambas as peças, deve haver a figura acompanhada do nome.
14- Jogo da memória: o par deve ser composto por uma peça contendo a figura, e a outra, o seu nome.

15- Cruzadinha: A profª monta a cruzadinha convencionalmente, colocando os desenhos para a criança pôr o nome. Mas, para ajudá-las, faz uma tabela com todas as palavras da cruzadinha em ordem aleatória. Assim, a criança consulta a tabela e "descobre" quais são os nomes pelo número de letras, letra inicial, final, etc.

16- Cruzadinha: A profª monta a cruzadinha convencionalmente, colocando os desenhos para a criança pôr o nome. Mas, para ajudá-las, faz um quadro com todos os desenhos e seus respectivos nomes, para que a criança só precise copiá-los, letra a letra.

17- Cruzadinha: A profª monta a cruzadinha convencionalmente, colocando os desenhos para a criança escreva seus nomes.

18- Bingo de letras : as cartelas devem conter letras variadas. Algumas podem conter só letras do tipo bastão; as outras, somente cursivas; e outras, letras dos dois tipos, misturadas.

19- Bingo de palavras: as cartelas devem conter palavras variadas. Algumas podem conter só palavras do tipo bastão; as outras, somente cursivas; e outras, letras dos dois tipos.

20- Bingo: a profª deve eleger uma palavra iniciada por cada letra do alfabeto e distribuí-las, aleatoriamente, entre as cartelas. (+/- 6 palavras por cartela). A profª sorteia a letra e o aluno assinala a palavra sorteada por ela.

21- Bingo : as cartelas devem conter letras variadas. A profª dita palavras e a criança deve procurar, em sua cartela, a inicial da palavra ditada.

22- Quebra cabeça de rótulos : a profª monta quebra cabeças de rótulos e logomarcas conhecidas e, na hora de montar, estimula a criança a pensar sobre a "ordem das letras"

23- Dominó de palavras: em cada parte da peça deve estar uma palavra, com a respectiva ilustração.

24- Ache o estranho: a profª recorta, de revistas, rótulos, logomarcas, embalagens, etc. Agrupa-os por categoria, deixando sempre um "estranho" (ex: 3 alimentos e um produto de limpeza; 4 coisas geladas e 1 quente; 3 marcas começadas por "A" e uma por "J"; 4 marcas com 3 letras e 1 com 10, etc.) Cola cada grupo em uma folha, e pede ao aluno para achar o estranho.

25- Procure seu irmão : os pares devem ser um rótulo ou logomarca conhecidos e, seu respectivo nome, em letra bastão.

26- "Procure seu irmão": os pares devem ser uma figura e sua respectiva inicial.

27) Jogo do alfabeto: Utilize um alfabeto móvel (1 consoante para cada 3 vogais).
Divida a classe em grupo e entregue um jogo de alfabeto para cada um.
Vá dando as tarefas, uma a uma:
 levantar a letra ___
 organizar em ordem alfabética
 o professor fala uma letra e os alunos falam uma palavra que inicie com ela.
 formar frases com a palavra escolhida
 formar palavras com o alfabeto móvel
 contar as letras de cada palavra
 separar as palavras em sílabas
 montar histórias com as palavras formadas
 montar o nome dos colegas da sala
 montar os nomes dos componentes do grupo

28) Pares de Palavras
Objetivo: utilizar palavras do dicionário
Destreza predominante: expressão oral
Desenvolvimento: O professor escolhe algumas palavras e as escreve na lousa dentro de círculos (1 para cada palavra). Dividir a classe em duplas. Cada dupla, uma por vez, dirigir-se-á até a lousa e escolherá um par de palavras formando uma frase com elas. A classe analisará a frase e se acharem que é coerente a dupla ganha 1 ponto e as palavras são apagadas da lousa. O jogo termina quando todas as palavras forem apagadas.

29) Formando palavras Número de jogadores: 4 por grupo.
Material: 50 cartões diferentes (frente e verso)
Um kit de alfabeto móvel por grupo (com pelo menos oito cópias de cada letra do alfabeto)

Desenvolvimento: Embaralhe os cartões e entregue dez deles para cada grupo;
Marque o tempo – 20 minutos – para formarem a palavra com o alfabeto móvel no verso de cada desenho. Ganha o jogo o grupo que primeiro preencher todos os cartões.

Variações:
 Classificar (formar conjuntos) de acordo:
 com o desenho da frente dos cartões;
 com o número de letras das palavras constantes dos cartões;
 com o número de sílabas das palavras dos cartões;
 com a letra inicial;

30) Treino de rimas
Várias cartas com figuras de objetos que rimam de três formas diferentes são colocadas diante das crianças. Por exemplo, pode haver três terminações: /ão/, /ta/, /ço/. Cada criança deve então retirar uma carta, dizer o nome da figura e colocá-la numa pilha com outras figuras que tenham a mesma rima. O teste serve para mostrar as palavras que terminam com o mesmo som. Ao separá-las de acordo com o seu final, juntam-se as figuras em três pilhas com palavras de terminações diferentes.

31) Treino de aliterações
Em uma folha com figuras, a criança deve colorir as que comecem com a mesma sílaba de um desenho-modelo (por exemplo, desenho-modelo: casa; desenhos com a mesma sílaba inicial: caminhão, cama, caracol; desenhos com sílabas iniciais diferentes: xícara, galinha, tartaruga). A mesma atividade pode ser depois repetida enfatizando-se a sílaba final das palavras (por exemplo, desenho-modelo: coração; desenhos com o mesmo final: televisão, leão, balão, mão; desenhos com finais diferentes: dado, uva, fogo).

32) Treino de consciência de palavras
Frases com palavras esquisitas, que não existem de verdade, são ditadas para a criança, que deve corrigir a frase. Substitui-se a pseudopalavra por uma palavra correta. Por exemplo, troca-se "Eu tenho cinco fitos em cada mão" por "Eu tenho cinco dedos em cada mão". Nesse jogo, palavras irreais são trocadas por palavras que existem de verdade, deixando a frase com sentido. Mostra-se que, ao criar frases com palavras que não existem, essas não têm significado.

33) Batucando
A professora fala uma palavra e o aluno "batuca" na mesa de acordo com o número de silabas.

34) Adivinha qual palavra é: A professora fala uma palavra (BATATA) e os alunos repetem omitindo a sílaba inicial (TATA) ou a final (BATA)

35) Lá vai a barquinha carregadinha de ...
A professora fala uma sílaba e as crianças escolhem as palavras.


36) Adivinhando a palavra
O professor fala uma palavra omitindo a silaba final e os alunos devem adivinhar a palavra. (ou a inicial)

37) Quantas sílabas? A professora fala uma palavra e a criança risca no papel e acordo com o número de sílabas (ou faz bolinhas)

38) Descoberta de palavras com o mesmo sentido
Ajude o aluno a perceber que o mesmo significado pode ser representado por mais de uma palavra. Isso é fácil de constatar pela comparação de frases como as que se seguem:
* O médico trata dos doentes
* O doutor trata dos doentes

Forneça, em frases, exemplos do emprego de sinônimos de uso comum como:
* Bonita, bela;
* Malvado, mau;
* Rapaz; moço
* Bebê; neném;
* Saboroso; gostoso

39) Descoberta de palavras com mais de um significado
Com essa atividade, os alunos perceberão que palavras iguais podem ter significados diferentes. Ajude-os a formar frases com as palavras: manga, botão, canela, chato; corredor; pena, peça; etc

40) Respondendo a perguntas engraçadas
Faça-as pensar sobre a existência de homônimos através de brincadeiras ou adivinhações:
* a asa do bule tem penas?
* O pé da mesa usa meia?
* A casa do botão tem telhado?
41) Escrita com música: 1) dividir os alunos em equipes de 4 elementos; 2) distribuir, entre as equipes, uma folha de papel; 3) apresentar às equipes uma música previamente selecionada pelo professor; 4) pedir que o aluno 1 de cada uma das equipes registre, na folha, ao sinal dado pelo professor, suas idéias, sentimentos, emoções apreendidas ao ouvir a música; 5) solicitar-lhe que, findo o seu tempo, passe a folha ao aluno 2, que deverá continuar a tarefa. E assim sucessivamente, até retornar ao aluno 1, que deverá ler o produto final de todo o trabalho para toda a classe.
Observação: a folha de papel deverá circular no sentido horário.

42) Conversa por escrito: 1) dividir a classe em duplas; 2) entregar a cada uma das duplas uma folha de papel; 3) pedir às duplas que iniciem uma conversa entre seus elementos (ou pares), mas por escrito.
Observações: 1) a dupla poderá conversar sobre o que quiser, mas deverá registrar a conversa na folha recebida; 2) a dupla não precisará ler sua conversa à classe; apenas o fará, se estiver disposta a tanto.
Objetivo específico dessa atividade: ensejar a reflexão sobre as diferenças entre a linguagem oral e a escrita.

43) Interpretando por escrito: 1) dividir os alunos em equipes de 4 elementos cada uma; 2) numerá-los de 1 a 4; 3) distribuir, entre as mesmas, pequenas gravuras (se possível de pinturas abstratas); 4) solicitar que cada uma das equipes registre, por escrito, o que entendeu sobre os quadros propostos; 5) ler as interpretações obtidas.

44) Brincando com as cores: 1) dividir a classe em equipes de 4 elementos; 2) numerar os participantes de cada uma; 3) distribuir, entre elas, as cores: atribuir uma cor (vermelho, verde, amarelo, azul, etc.) a cada uma das equipes ou grupos; 4) pedir que cada um dos elementos de cada uma das equipes registre, numa folha de papel que circulará entre os participantes, suas impressões a respeito da cor recebida; 5) solicitar das equipes a leitura das impressões registradas.

Observações: a mesma atividade poderá ser realizada, mas sem a entrega de cores às equipes. Neste caso, cada um dos grupos deverá produzir um pequeno texto sobre uma cor, sem nomeá-la, mas procurando "dar pistas" a respeito da mesma, a fim de que os colegas possam descobri-la. Algumas equipes poderão ler seus textos e, se a cor não for descoberta, o professor poderá organizar uma discussão sobre esse fato, apontando, alguns fatores que talvez tenham dificultado a não identificação. Outra atividade com cores poderá ser a dramatização por meio de gestos, ou mímica, de uma cor escolhida pela(s) equipe(s).

45) Compondo um belo texto-poema:1) dividir os alunos em equipes ou grupos; 2) indicar a cada uma três substantivos - chave do poema: mar, onda, coqueiro; 3) marcar, no relógio, 10 (dez) minutos para a composição dos poemas; 5) expor, no mural de classe, os textos produzidos pelas equipes.

46) Cinema imaginário: 1) dividir a sala em equipes ou grupos; 2) apresentar às equipes três ou quatro trechos (curtos) de trilhas sonoras de filmes; 3) solicitar que os alunos imaginem cenas cinematográficas referente às trilhas ouvidas; 4) interrogar os alunos sobre o que há de semelhante e o que há de diferente nas cenas imaginadas por eles.

"A partir das respostas a essas perguntas, o professor discutirá, com os alunos, o papel do conhecimento prévio e o das experiências pessoais e culturais que compartilhamos, para que possamos compreender textos (verbais, não-verbais, musicados, ...)

Retirado do Orkut :
Da Comunidade Prazer de Ensinar: Idéias para Alfabetização ( Luzimara)

IDÉIAS PARA ALFABETIZAÇÃO

Use jogos educativos nas suas aulas.
Desenvolva atividades lúdicas com seus alunos.
Procure introduzir cada novo conteúdo de forma diferente.
Mude a disposição das cadeiras e mesas na sala de aula.
Faça os alunos participarem das aulas.
Troque de ambiente e dê aula no pátio da escola, por exemplo.
Explore cartazes, vídeos, filmes.
Traga jornais e revistas para a sala de aula.
Aproveite todo o ambiente escolar.
Crie aulas diferentes e divertidas.
Elabore situações problemas para os seus alunos resolverem.
Busque auxílio nos meios de comunicação.
Troque experiências com os colegas.
Valorize as opiniões de seus alunos.
Peça sugestões aos seus alunos quando for preparar suas aulas.
Faça trabalhos em pequenos grupos ou grupos sucessivos.
Solicite uma avaliação das suas aulas aos seus alunos.
Incentive e estimule a aprendizagem dos seus alunos.

sábado, 19 de abril de 2008



Veja meu Slide Show!

Veja meu Slide Show!

Gente que educa

Sites interessantes e sugestões de atividades



quinta-feira, 17 de abril de 2008

Segredo da VIDA!!!

Vou contar um segredo....que a mim
confiaram... mas é um segredo que
pode ser contado... é o Segredo da Vida !!!
Vamos lá?!! Preste bem atenção...
Não perca nenhum detalhe tá??? !!!
"Todos os dias, quando você acorda e
abre os olhos pela manhã, você ganha
o maior de todos os prêmios já
oferecido ao ser humano.
Você novamente inicia um novo dia.
Muitos não têm mais essa oportunidade.
Vamos viver esse dia que se inicia com
toda intensidade e otimismo.
Vamos iniciá-lo sorrindo.
Mire-se no espelho e dê um belo
" Boooommm Diaaaa!
"À pessoa mais importante desse universo,
você! Se você não se amar,
não será capaz de amar ninguém.
Se você não se ajudar, não poderá
ajudar ninguém.
Uma pessoa com auto-estima baixa,
em que poderá contribuir?
Dois sacos vazios não param em pé.
Dê um forte abraço em você mesmo.
Você é único no universo.
Repare!
Você está vivo, venceu mais um dia!
É isso que importa, iniciar mais
um novo dia.
Faça desse dia o seu melhor dia,
só dependerá de você.
Pronto!
Você começou o dia com otimismo,
sua mente está aberta para tirar desse
dia tudo que ele possa lhe oferecer
de bom.
Procure somente o positivo em tudo que
você fizer, esqueça do negativo.
O positivo sempre estará em todas as
suas ações, basta você querer
encontrá-lo.
Liste suas tarefas de hoje, somente as
de hoje, e esqueça as de ontem,
elas já são passado.
Deixe de lado as do amanhã, até que
ele se tornem hoje.
Esse é o segredo da vida, não o guarde com sete chaves, passe-o para todos seus amigos, pois só assim, difundiremos pelos quatro cantos que a vida é bela e merece ser vivida."
AS CRIANÇAS APRENDEM AQUILO QUE VIVEM.

Se uma criança vive criticada,
aprende a condenar;

Se uma criança vive com maus tratos,
aprende a brigar;

Se uma criança vive humilhada,
aprende a se sentir culpada;

Se uma criança é estimulada,
aprende a confiar;

Se uma criança é valorizada,
aprende a valorizar;

Se uma criança vive no equilíbrio,
aprende a ser justa;

Se uma criança vive em segurança,
aprende a ter fé;

Se uma criança é bem aceita,
aprende a respeitar;

Se uma criança vive na amizade,
aprende a ser amiga,
aprende a encontrar o amor no mundo.
Dia 17 de abril de 2008, quinta-feira, 18:00hs, criei meu blog.

Pretendo aproveitar o máximo com esta ferramenta para expor minhas idéias, sugestões de todo tipo de assunto.
Aprendi muito num curso do NTE sobre informática.
Até breve. Bjos