quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa


Por Marília Mendes

Alfabeto
Nova Regra: O alfabeto é agora formado por 26 letras
Regra Antiga: O "k", "w" e "y" não eram consideradas letras do nosso alfabeto
Como Será: Essas letras serão usadas em siglas, símbolos, nomes próprios, palavras estrangeiras e seus derivados. Exemplos: km, watt, Byron, byroniano
Trema
Nova Regra: Não existe mais o trema em língua portuguesa. Apenas em casos de nomes próprios e seus derivados, por exemplo: Müller, mülleriano
Regra Antiga: agüentar, conseqüência, cinqüenta, qüinqüênio, frqüência, freqüente, eloqüência, eloqüente, argüição, delinqüir, pingüim, tranqüilo, lingüiça
Como Será: aguentar, consequência, cinquenta, quinquênio, frequência, frequente, eloquência, eloquente, arguição, delinquir, pinguim, tranquilo, linguiça.
Acentuação
Nova Regra: Ditongos abertos (ei, oi) não são mais acentuados em palavras paroxítonas.
Regra Antiga: assembléia, platéia, idéia, colméia, boléia, panacéia, Coréia, hebréia, bóia, paranóia, jibóia, apóio, heróico, paranóico.
Como Será: assembleia, plateia, ideia, colmeia, boleia, panaceia, Coreia, hebreia, boia, paranoia, jiboia, apoio, heroico, paranóico.

OBS 1.: Nos ditongos abertos de palavras oxítonas e monossílabas o acento continua: herói, constrói, dói, anéis, papéis.
OBS 2.: O acento no ditongo aberto "eu" continua: chapéu, véu, céu, ilhéu.

Nova Regra: O hiato "oo" não é mais acentuado.
Regra Antiga: enjôo, vôo, corôo, perdôo, côo, môo, abençôo, povôo.
Como Será: enjoo, voo, coroo, perdoo, coo, moo, abençoo, povôo.

Nova Regra: O hiato "ee" não é mais acentuado.
Regra Antiga: crêem, dêem, lêem, vêem, descrêem, relêem, revêem.
Como Será: creem, deem, leem, veem, descreem, releem, revêem.

Nova Regra: Não existe mais o acento diferencial em palavras homógrafas.
Regra Antiga: pára (verbo), péla (substantivo e verbo), pêlo (substantivo), pêra (substantivo), péra (substantivo), pólo (substantivo).
Como Será: para (verbo), pela (substantivo e verbo), pelo (substantivo), pera (substantivo), pera (substantivo), polo (substantivo).

OBS: O acento diferencial ainda permanece no verbo "poder" (3ª pessoa do Pretérito Perfeito do Indicativo - "pôde") e no verbo "pôr" para diferenciar da preposição "por".

Nova Regra: Não se acentua mais a letra "u" nas formas verbais rizotônicas, quando precedido de "g" ou "q" e antes de "e" ou "i" (gue, que, gui, qui).
Regra Antiga: argúi, apazigúe, averigúe, enxagúe, enxagúemos, obliqúe.
Como Será: argui, apazigue,averigue, enxague, ensaguemos, obliqúe.

Nova Regra: Não se acentua mais "i" e "u" tônicos em paroxítonas quando precedidos de ditongo.
Regra Antiga: baiúca, boiúna, cheiínho, saiínha, feiúra, feiúme.
Como Será: baiuca, boiuna, cheiinho, saiinha, feiura, feiume.

Hífen
Nova Regra: O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos (ou falsos prefixos) terminados em vogal + palavras iniciadas por "r" ou "s", sendo que essas devem ser dobradas.
Regra Antiga: ante-sala, ante-sacristia, auto-retrato, anti-social, anti-rugas, arqui-romântico, arqui-rivalidae, auto-regulamentação, auto-sugestão, contra-senso, contra-regra, contra-senha, extra-regimento, extra-sístole, extra-seco, infra-som, ultra-sonografia, semi-real, semi-sintético, supra-renal, supra-sensível.
Como Será: antessala, antessacristia, autorretrato, antissocial, antirrugas, arquirromântico, arquirrivalidade, autorregulamentação, contrassenha, extrarregimento, extrassístole, extrasseco, infrassom, inrarrenal, ultrarromântico, ultrassonografia, suprarrenal, suprassensível.

OBS: Em prefixos terminados por "r", permanece o hífen se a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra: hiper-realista, hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional, super-realista, super-resistente etc.

Nova Regra: O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos (ou falsos prefixos) terminados em vogal + palavras iniciadas por outra vogal.
Regra Antiga: auto-afirmação, auto-ajuda, auto-aprendizagem, auto-escola, auto-estrada, auto-instrução, contra-exemplo, contra-indicação, contra-ordem, extra-escolar, extra-oficial, infra-estrutura, intra-ocular, intra-uterino, neo-expressionista, neo-imperialista, semi-aberto, semi-árido, semi-automático, semi-embriagado, semi-obscuridade, supra-ocular, ultra-elevado.
Como Será: autoafirmação, autoajuda, autoaprendizabem, autoescola, autoestrada, autoinstrução, contraexemplo, contraindicação, contraordem, extraescolar, extraoficial, infraestrutura, intraocular, intrauterino, neoexpressionista, neoimperialista, semiaberto, semiautomático, semiárido, semiembriagado, semiobscuridade, supraocular, ultraelevado..

OBS 1.: Esta nova regra vai uniformizar algumas exceções já existentes antes: antiaéreo, antiamericano, socioeconômico etc.
Obs 2.: Esta regra não se encaixa quando a palavra seguinte iniciar por "h": anti-herói, anti-higiênico, extra-humano, semi-herbáceo etc.

Nova Regra: Agora utiliza-se hífen quando a palavra é formada por um prefixo (ou falso prefixo) terminado em vogal + palavra iniciada pela mesma vogal..
Regra Antiga: antiibérico, antiinflamatório, antiinflacionário, antiimperialista, arquiinimigo, arquiirmandade, microondas, microônibus, microorgânico.
Como Será: anti-ibérico, anti-inflamatório, anti-inflacionário, anti-imperialista, arqui-inimigo, arqui-irmandade, micro-ondas, micro-ônibus, micro-orgânico.

OBS 1.: Esta regra foi alterada por conta da regra anterior: prefixo termina com vogal + palavra inicia com vogal diferente = não tem hífen; prefixo termina com vogal + palavra inicia com mesma vogal = com hífen.
OBS 2.: Uma exceção é o prefixo "co". Mesmo se a outra palavra inicia-se com a vogal "o", NÃO utiliza-se hífen.

Nova Regra: Não usamos mais hífen em compostos que, pelo uso, perdeu-se a noção de composição.
Regra Antiga: manda-chuva, pára-quedas, pára-quedista, pára-lama, pára-brisa, pára-choque, pára-vento.
Como Será: mandachuva, paraquedas, paraquedista, paralama, parabrisa, pára-choque, paravento.

OBS: O uso do hífen permanece em palavras compostas que não contêm elemento de ligação e constitui unidade sintagmática e semântica, mantendo o acento próprio, bem como naquelas que designam espécies botânicas e zoológicas: ano-luz, azul-escuro, médico-cirurgião, conta-gotas, guarda-chuva, segunda-feira, tenente-coronel, beija-flor, couve-flor, erva-doce, mal-me-quer, bem-te-vi etc.

Observações Gerais
O uso do hífen permanece: 1. Em palavras formadas por prefixos "ex", "vice", "soto"
Exemplos: ex-marido, vice-presidente, soto-mestre.
2. Em palavras formadas por prefixos "circum" e "pan" + palavras iniciadas em vogal, M ou N.
Exemplos: pan-americano, circum-navegação.
3. Em palavras formadas com prefixos "pré", "pró" e "pós" + palavras que tem significado próprio.
Exemplos: pré-natal, pró-desarmamento, pós-graduação.
4. Em palavras formadas pelas palavras "além", "aquém", "recém", "sem".
Exemplos: além-mar, além-fronteiras, aquém-oceano, recém-nascidos, recém-casados, sem-número, sem-teto.

Não existe mais hífen: Em locuções de qualquer tipo (substantivas, adjetivas, pronominais, verbais, adverbiais, prepositivas ou conjuncionais).
Exemplos: cão de guarda, fim de semana, café com leite, pão de mel, sala de jantar, cartão de visita, cor de vinho, à vontade, abaixo de, acerca de etc.
Exceções: água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao-deus-dará, à queima-roupa.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

JOGOS E BRINCADEIRAS DE ANTIGAMENTE

JUSTIFICATIVA:
Hoje as crianças só pensam em brincar de videogames, jogos eletrônicos, computadores. As brincadeiras tempos atrás eram bem mais divertidas e além de tudo muito saudáveis e criativas. Brincar de Bolinhas de Gude, Carrinhos de rolimãs, pega-pega, passa- anel, roda pião, soltar pipa, pular corda eram brincadeiras de antigamente. Mas hoje não se vê mais as crianças fazendo essas brincadeiras. A tecnologia e também a violência restringiram as brincadeiras e fazendo que as crianças fiquem horas e horas na frente do computador ou mesmo da televisão.Jogos eletrônicos estão sendo o meio mais utilizado pelas crianças e jovens. Ficam ocupados em passar fases e vencer obstáculos, disputar corridas alucinantes.Tudo isto sem a criança sair do lugar, ficando assim a cada dia mais no sedentarismo. Pensando nisto, nós professoras do curso de multiplicadoras/2008 da Escola Ione Campos dos Santos resolvemos resgatar as brincadeiras e jogos da nossa cultura popular inserindo essas brincadeiras, que são de suma importância para o desenvolvimento físico da criança. Estes jogos e brincadeiras são atividades que poderão ser compartilhadas até com seus familiares, colegas e amigos de sua comunidade.
O brincar e o jogar são atos indispensáveis à saúde física, emocional e intelectual e sempre estiveram presentes em qualquer povo desde os mais remotos tempos. Através deles, a criança desenvolve a linguagem, o pensamento, a socialização, a iniciativa e a auto-estima, preparando-se para ser um cidadão capaz de enfrentar desafios e participar na construção de um mundo melhor.
Este projeto envolverá um conjunto de fatores que devem existir para uma vida melhor e saudável. Isso é, que para se ter uma boa qualidade de vida, é necessário mudança de comportamento, vivência de novos valores, disciplina, respeito mútuo, atenção a saúde, solidariedade, entre muitos outros.

OBJETIVOS:
Resgatar valores, socializar brincadeiras que eram realizadas no passado, ampliar seu círculo de brincadeiras, tornar as crianças mais solidários e participativas, incentivar o trabalho de equipe.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Competições de brincadeiras ( Corrida do Saco, Corrida da batata na colher, Dança das cadeiras, Taco, Amarelinha, Batata
Quente, Cabo de Guerra, Pé de Lata, Elástico, Peteca, Queimada, etc );
Reconhecer semelhanças e diferenças da criança de hoje e de outros tempos;
Identificar o cotiadiano de uma criança nos tempos atuais;
Pesquisar com as crianças, quais brincadeiras que mais gostam;
Descobrir as principais manifestações folclóricas em nosso país;
Confeccionar de Pipas ( a mais engraçada, Original, Diferente );
Identificar e reconhecer Músicas Folclóricas,cirandas;
Utilizar Trava-Línguas, parlendas;
Resgatar jogos, canções, danças de rodas e brincadeiras de antigamente.

METODOLOGIA e ESTRATÉGIAS:
Material didático
Livros de histórias
Gravuras e Cartazes
Textos e leituras variadas
Atividades xerocopiadas e dirigidas
Criações diversas
Vídeos
Pesquisa com pais, familiares, visinhanças sobre brincadeiras/jogos do tempo deles em criança;
Diálogos e relatos
Músicas
Recreações, jogos e brincadeiras

CONTEÚDOS:
Uso da linguagem oral para conversar e expressar idéias e opiniões;
Leitura de pequenos textos como: Trava-Línguas, Parlendas, Canções,etc;
Cantigas, danças de roda, brincadeiras antigas e brinquedos utilizados pelos nossos pais e avós;
Participação em jogos, brincadeiras de antigamente;
Participação nos jogos.

AVALIAÇÃO:
Acontecerá no decorrer do processo através da observação e execução das atividades aplicadas( com alunos da Pré Escola, do Currículo-1ª a 4ª série; 1º e 2º anos nas aulas de Educação Física, pelos professores titulares da turma juntamente com a professora parceira( Isabel), mais as multiplicadoras (Yeda-Marcia - Rosemeri ). O presente projeto será aplicado na primeira e segunda semana de outubro.

É através das crianças que se perpetuam as brincadeiras tradicionais, sendo, estas, preservadas e recriadas a cada nova geração. Portanto, resgatar a tradição das brincadeiras é uma forma de ampliar o universo lúdico e cultural das crianças, além de promover uma interação com outras gerações. Assim como nossos pais e avós, com certeza temos uma história pra contar sobre nossos brinquedos prediletos e uma brincadeira a ensinar.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008